quinta-feira, 3 de maio de 2012

Fui eu




Silêncio de bronze
sobre as teias de aranha das pupilas.
Nada palpita no rosto tátil -
nem mesmo um poro.
Deslizo pela superfície imberbe
a gana de eriçá-la:
mas (munida apenas da arremetida suicida do touro)
sua mudez desarma o esforço.
Urna cerrada como o sol,
fui, foste, fomos,
e tudo ficou retido na divisa
(no escudo)
na nitidez desse rosto acuado
- dessa carranca
com que hoje enfrento os mares.


Poema by Maria Lúcia Dal Farra
Foto by Mari Martins 



Nenhum comentário: