terça-feira, 17 de abril de 2012

Adélia Prado no Atemporal



Exausto

Eu quero uma licença de dormir,
perdão pra descansar horas a fio,
sem ao menos sonhar
a leve palha de um pequeno sonho.
Quero o que antes da vida
foi o sono profundo das espécies,
a graça de um estado.
Semente.
Muito mais que raízes.


Poema by Adélia Prado
Foto by Mari Martins



Nenhum comentário: