quarta-feira, 6 de junho de 2012

Hai-kais de Millôr Fernandes




O veludo
Tem um perfume
Mudo.

 
Diz-me de quem sais,
Grito-te meus ais -
Somos hai-kais iguais.

 
Nos camarotes
Há equações
Pros decotes.

 
O hai-kai,
Descobri noutro dia,
É o orvalho da poesia.

 
No aeroporto cheio
Eu filo
O adeus alheio.

 
E o medo que mete
Esse espelho
Que não reflete?

 
Olho, alarmado;
E se a vida for
Do outro lado?

 
A imagem tua,
Amante, decai;
Como a da lua.

 
Hai-kais e ilustração by Millôr Fernandes



Um comentário:

Anônimo disse...

Maravilha esses haikais.