quarta-feira, 18 de julho de 2012

Poesia Mitológica




Penélope


que empenho quera posto à madrugada
para passar de pouco a coisa alguma,
para soltar as malhas uma a uma
da tela que era à luz do sol trançada.
olhava ao longe o mar: não via nada.
no porto, tempo havia que nenhuma
embarcação chegava e só espuma
vinha bater nas pedras da amurada.
parado andava o ar. passavam lentos
os dias, e entre os dedos da rainha
se embaraçavam com seus pensamentos.
que quanto mais tardava seu marido
mais sem vontade ela corria a linha
com que trançava as horas no tecido.


Poema by Mário de Oliveira
Foto by Mari Martins



Nenhum comentário: