segunda-feira, 30 de julho de 2012

Dor para urinar. Qual a possível causa?




DOR PARA URINAR

Das dores associadas à micção, a cistite é considerada uma das infecções mais comuns nas mulheres. A cistite aguda tem como principais sintomas a disúria (dor ao urinar), a polaciúria (aumento da frequência urinária), a sensação de micção incompleta (quando parece que não saiu toda a urina que tinha na bexiga), a nictúria (levantar à noite para urinar) e a hematúria (sangue na urina), entre outros. Os exames mais comumente solicitados são a urina I e a urocultura com antibiograma. A diferença é que na urina I vem só a infecção ou a presença de sangue e a urocultura nos dá o nome da bactéria que está causando a infecção. O antibiograma vai nos mostrar qual o antibiótico ideal para a bactéria em questão. A cistite recorrente é quando existe mais de 3 episódios de cistite em um ano. A cistite intersticial crônica é um diagnóstico de exclusão, quando eliminamos as outras infecções do trato genitourinário. Esta é caracterizada por dor pélvica, urgência, frequência miccional e nictúria. As uretrites são causadas por dois agentes principais: a "N. gonorrhoeae" (saída de secreção purulenta pela uretra) e a "C. trachomatis" (que está entre as DST mais frequentes no mundo). A vulvovaginite é outra causa de dor à micção. Esta é acompanhada de corrimento, prurido e ou odor vaginais, dependendo da etiologia. A Síndrome de Reiter é composta pela tríade: artrite, conjuntivite e uretrite. A etiologia desta síndrome ainda não está bem definida, mas acredita-se que está relacionada com alterações do sistema imune. A atrofia urogenital ocorre na pós menopausa pela falta ou diminuição da lubrificação vaginal divido ao hipoestrogenismo (diminuição do hormônio estrogênio). Esta causa disúria e dispareunia (dor às relações sexuais). Em geral, o mecanismo ascendente é o meio mais frequente de colonização do trato urinário. Outros fatores de risco também podem desencadear a infecção urinária como: atividade sexual, cistite prévia, gestação, idade, diabetes e cateterismo vesical (uso de sondas).


Coluna Saúde da Mulher - assinada pela Dra. Elaine K. Vasconcelos - Ginecologista, Obstetra e Mastologista - CRM: 101324.
Imagem by Mari Martins







Nenhum comentário: