terça-feira, 8 de junho de 2010

Filosofia Univérsica

Níveis de consciência

Toda a ascensão, na escala dos seres, consiste na mudança do seu nível de consciência; essa modificação é a razão de ser de todas as diferenças; é ela que faz a diferença entre o selvagem e o sábio, entre este e Deus.
Quando se diz que o homem superior está acima das coisas, isto é literalmente verdadeiro; certas coisas não o prendem mais; pelo fato de ele as encarar de outro modo; por ser outro essas coisas não têm mais poder sobre ele.
Saber conscientemente é superar, é libertar-se daquilo que se sabe - assim como não saber é ser escravo daquilo que não se sabe.
Esse ver-melhor e conhecer-melhor não é uma condição preliminar para a redenção - é a prórpia redenção ou libertação.
Não há poder maior que o conhecimento sapiencial, que é a verdadeira compreensão. Neste sentido foi dito pelo Cristo: "Conhecereis a verdade; e a verdade vos libertará".
Não é possível nenhum progreso interior sem esse conhecimento, sem essa elevação do nível da consciência.
Não há crendice mais funesta do que a crença na invencibilidade do determinísmo das leis da natureza. A natureza, é certo, age de um modo determinado; no seu próprio plano é ela invariável, invencível; entretanto, todas as forças atuam tão somente num determinado plano; mas quem se eleva acima deste plano liberta-se da sua influência e não é atingido pelo seu impacto. Graças ao nível superior da sua consciência, do seu livre-arbítrio, está o homem acima do nível da natureza inferior, onde atua apenas a lei da causalidade mecânica, ao passo que no homem funciona a lei da causalidade dinâmica.
Quando o homem consegue elevar o seu nível de consciência do plano das forças mecânicas, escapa desse plano, não apenas na imaginação, mas na mais completa realidade; porque ter outra consciência é ser outro. O nível da nossa consciência determina o nível do nosso ser. A medida da minha consciência é a bitola do meu ser e do meu poder.
Na íntima essência da sua natureza o homem é onipotente, e quanto mais consciente ele se tornar desta verdade tanto mais se libertará das coisas que os escravizam.
Toda a nossa ascensão rumo a um poder superior é essencialmente um processo de conscientização. Na minha íntima essência eu sou o poder infinito, embora na minha externa existência os meus poderes sejam limitados. Eu sou essa essência onipotente, que é a fonte de todas as minhas existências, que eu tenho mas não sou.
À luz desta verdade, é possível que tenham razão os sábios da Índia, quando dizem que o homem, chegado ao mais alto grau de consciência, pode superar a própria morte.
E não seria este o sentido das palavras do Cristo "Quem tiver fidelidade (fé) a mim, não morrerá, e, ainda que tenha morrido, viverá para todo o sempre"? Ter fidelidade a seu Cristo interno é o mesmo que atingir o mais alto nível de consciência.
E quando ele afirma "o Pai está em mim, e eu estou no Pai - o Pai também está em vós, e vós estais no Pai", supõe a possibilidade de crearmos em nós esse nível de consciência, que ele tinha realizado em si, e que existe implicitamente em cada ser humano.

Fonte: Educação do Homem Integral - Autor: Huberto Rohden - Editora Martin Claret


2 comentários:

Jackie Freitas disse...

Mari, minha querida!
No plano espiritual isso se chama evolução! Não há nada melhor do que vivermos em busca do crescimento interior. Feito isso, realmente, tudo passa a ter outra conotação. Desprendemo-nos das picuinhas e seguimos em frente, semeando amor e não discórdias.
Grande beijo, minha linda!
Jackie

Mari Martins disse...

Oi Jackie, você tem razão e isso é o que mais peço a Deus, que me ajude a ser um ser humano melhor, mais paciente e tolerante sempre.
Beijos e até mais.