quarta-feira, 2 de junho de 2010

Aceitação

Lendo o texto entitulado "Maledicência, não fales mal de ninguém" de Huberto Rohden, que postei no Blog esta semana, me ocorreu outras questões pertinentes ao ser humano e resolvi escrever um pouco sobre isso.

É incrivel como as pessoas tem dificuldade em aceitar seus amigos, seus familiares, seus parceiros como eles são. Por que tanta dificuldade? Cada pessoa tem uma essência, as pessoas são "diferentes" e isso não faz delas melhores ou piores. O ser humano tende a querer tudo do seu jeito sempre, mas todos temos vontades, então faz-se o que? Quando crianças, nossas mães nos ensinam a "revezar", "uma vez de cada para brincar " e isso é uma lição que devemos levar conosco para sempre. Você por acaso conhece alguém que tem um relacionamento que não acha bom, mas que acredita que vai mudar? Acha o parceiro um chato mas vai fazê-lo mudar? Que se veste mal, mas que vai fazê-lo mudar? Pois é, ouço isso e não acho inerente. Para mim há duas opções: aceite a pessoa do jeito que ela é ou termine o relacionamento e procure uma pessoa mais parecida com você. Não existe esse negócio de vou fazê-lo mudar, ou vou moldá-lo do jeito que eu gosto. Isso só trará sofrimento para você e para a outra pessoa. Falar de traços de personalidade é uma coisa, mas e quando se trata de índole ou caráter? Você consegue transformar uma pessoa de péssima índole numa pessoa boa? Um mal caráter num bom sujeito? Pense nisso!
by Mari Martins

4 comentários:

Jackie Freitas disse...

Mari, minha querida!
Concordo que não podemos mudar a essência de uma pessoa, porém, por experiência vivida, te digo que o ser humano é adaptável ao meio em que vive...muitas vezes sofre mudanças por um bem maior, assim como ao pior...Vou te dizer uma coisa, conheço uma pessoa maravilhosa, de índole e caráter impecáveis...por alguma razão ou provação do destino, ele foi preso (por estar no lugar errado e na hora errada). Acabou parando em um presídio de segurança máxima (um absurdo pelo nível do crime), enfim, mas lá está em contato com os piores bandidos do país. Amiga, acredite que os bandidos estão moldando um novo caráter nele, pois lá dentro ele teve que se adaptar ao meio para poder sobreviver...então, do mesmo modo que consegue-se "mudar" para o bem, a recíproca também é verdadeira.
Eu, por mim, te digo, que procuro sempre o melhor nas pessoas e tento fazer com que essa visão permita a conciliação das diferenças...elas sempre existirão!
Adorei seu texto, querida! Vale a pena ser lido e refletido!
Grande beijo,
Jackie

Sou Mulher ... disse...

Olá Mari!
Às vezes a gente vive anos com uma pessoa gentil conosco e só percebemos que ela não é mais, quando tentamos nos auto afirmar, porque achamos que já cumprimos nossa tarefa em relação aos filhos e ao lar. Só então, as diferenças aparecem, após o casal já estar entrosado, dependendo mais um do outro, porque há laços de amor, verdadeiro sim, pois é fruto de um tempo em que não havia lutas pelo poder, apenas compreensão das diferenças.Eu e meu marido, por exemplo, eramos o casal perfeito enquanto um completava o que o outro não tinha e eu era dócil. Quando comecei a brigar por meus direitos, a coisa ficou triste. É mais fácil, portanto, tratar de conhecer mais uma pessoa e no início do relacionamento, ir em busca de outra com mais afinidades.Depois que os anos passam e vem os filhos, e no meu caso, a idade...um rompimento em busca do companheiro com afinidade é muito mais difícil...um sonho quase irreal.
Acho que a gente não pode mudar a essência de uma pessoa, mas pode sim, torna-la mais terna, menos desconfiada... e o contrário também é verdadeiro, pois influenciamos uns aos outros (principalmente quando a convicência é diária e estreita).
Seu texto é bom para refletirmos sôbre isto.
Beijos,Vera.

Mari Martins disse...

É Jackie, o pior de tudo é ver isso, alguém que você gosta ter que se adaptar a algo muito ruim para poder sobreviver. Realmente é triste.
Beijos e até mais.

Mari Martins disse...

Pois é Vera, pior que isso é muito comum de acontecer, é uma pena realmente. Temos que ter muito cuidado e muito tato com essas questões.
Beijos e obrigada pela visita e comentário.