segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

À Noite




À noite, gera monstros;
...
A saudade abre as portas;
O riso abandona os lábios;
E a gente fica a mercê do vácuo.
E o resto é vazio e solidão.

Faz parir em mim um gosto;
Mesmo que este se faça no desgosto;
Sem gosto de mel;
Seja fel;
Seja um véu;
Branco;
Transparente ou indecente;
Mas que revele;
Um sabor;
Ou cor;
Tanto faz!
Me desfaz!
Se possível faz-me;
Simplesmente
Rir de mim.

Poema by João Bosco Tavares
Foto by Mari Martins


Nenhum comentário: