segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Mundo Interior


Ouço que a natureza é uma lauda eterna
De pompa, de fulgor, de movimento e lida,
Uma escala de luz, uma escala de vida
Do sol à ínfima luzerna.

Ouço que a natureza, - a natureza externa, -
Tem o olhar que namora, e o gesto que intimida,
Feiticeira que ceva uma hidra de Lerna
Entre as flores da bela Arminda.

E, contudo, se fecho os olhos, e mergulho
Dentro de mim, vejo à luz de outro sol, outro abismo
Em que um mundo mais vasto, armando de outro orgulho,

Rola a vida imortal e o eterno cataclismo,
E, com o outro, guarda em seu âmbito enorme,
Um segredo que atrai, que desafia, - e dorme.

Soneto by Machado de Assis
Foto by Mari Martins


3 comentários:

Beth Muniz disse...

Mundo interior...
Este sim é um bem precioso!
Mari, adoro ler o Machado. Tão enigmático...
Muito bom começar a semana com a sua indicação.
Boa semana!
Grande beijo querida.

Samanta disse...

Olá queridíssima Mari !!

Que lindo poema !!
Descreveu com profundidade este Mundo interior, que é mesmo muito intenso e misterioso.
Adorei, não conhecia !
Um super beijo e que sua semana seja ótima !!

Jackie Freitas disse...

Oi minha querida Mari!
Machado de Assis dispensa comentários e apresentações!
Esse poema não apenas revela um pouco sobre o misterioso mundo interior dele, como nos faz enxergar o nosso sob a ótica dele... Muito bom!
Grande beijo,
Jackie