sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

A Esperança



Quem não deseja, após as fadigas de uma longa caminhada, encontrar um lugar onde possa descansar à sombra de árvores frondosas; refrigerar-se com a água fresca e cristalina de uma fonte e respirar o odor de flores perfumadas?

Assim, na jornada da vida, quão intoleráveis e áridos não seriam os nossos dias, se não tivéssemos para amenizá-los, a Esperança, essa "amável companheira da vida" que tanto nos alenta e estimula. Sem ela, o lavrador não teria tanta perseverança e constância para cultivar a terra, o marinheiro não arrostaria a sanha do mar furioso e embravecido; o enfermo não suportaria suas dores, nem o cativo o peso do seu cativeiro.

...Não fora a Esperança, sucumbiríamos ao peso dos males que se sucedem. "Ela tem a arte de separar de nós o que está em contato conosco, e aproximar de nós o que julgamos inatingível; lívra-nos do presente, quando inoportuno, e nos traz o futuro, quando este parece vantajoso".

Não existe lar, rico ou pobre, que não a acolha; não há coração, altivo ou humilde que não a abrigue. Por onde passa, deixa benefícios e consolações, sobretudo nos lares construidos em choupanas e casebres rústicos e nos corações desesperados e aflitos.

Se os corações abrigam essa esperança terrena, tão sujeita aos enganos, por que não acolher a mais promissora esperança divina, que não consente que esperemos em vão? Por mais que nos alimentemos dessa Esperança, nunca será demasiado, pois tem por fim nos levantar, nos fortalecer, nos aliviar das dores e estancar nossas lágrimas.

Saturemos nosso coração dessa Esperança fresca que ameniza os ardores da vida. Estrela que brilha no firmamento da existência, nas noites mais sombrias; artista que sabe colocar sobre as urzes que cobrem nossa vida, flôres aromáticas; acordes melodiosos extraídos das cordas de uma harpa, cujo som, nos acompanha na vida até o dia em que alcançamos o lugar que Deus nos reservou.

Foto by Mari Martins

Esta é uma homenagem a Maria do Carmo Salomon Rocha que nos deixou no último dia 04/01/2011 para iniciar uma nova jornada de LUZ...
1929-2011
 





Um comentário:

Marisa Martins disse...

Bela e merecida homenagem!