quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Dismenorréia





DISMENORRÉIA


Dismenorréia é a cólica menstrual. Acomete mulheres no período reprodutivo da vida, após o 2º ano da menarca (1ª menstruação). Pode ser de intensidade variada e durar de algumas horas a alguns dias, podendo, inclusive, iniciar-se no período pré-menstrual. A cólica ocorre devido às contrações uterinas com a finalidade de eliminar a menstruação. São mais intensas quando existem patologias associadas como a endometriose, a miomatose uterina, malformações uterinas e infecções. São mais sutis em pacientes em uso de anticoncepcionais hormonais e mais severas em usuárias de DIU. Quando está associada a patologias é chamada dismenorréia secundária. Quando ocorre sem que haja lesões nos órgãos reprodutivos é chamada dismenorréia primária. A dismenorréia deve, sempre, ser tratada porque prejudica a vida da mulher diminuindo a sua produtividade em casa, no trabalho e nos estudos. O tratamento consiste em associar hábitos de vida saudáveis a medicamentos. Como acomete mais frequentemente mulheres obesas e tabagistas são aconselhados os exercícios físicos e a suspensão do hábito de fumar. A alimentação deve ser rica em vitaminas do complexo B (arroz e pães integrais), ômegas 3 e 6 (peixes e azeites de oliva), além de feijões e folhas verde escuras (porque contêm ferro) e frutas frescas. Exercícios físicos também melhoram a tolerância à dor pela liberação de endorfinas. A diminuição do stress também ajuda a aliviar a tensão pré-menstrual e, consequentemente, a dismenorréia. O tratamento medicamentoso vai desde analgésicos simples (dipirona e o paracetamol) aos antiespasmódicos como a hioscina e escopolamina (buscopan) e aos antinflamatórios não hormonais (estes inibem a síntese de prostaglandinas), onde os mais utilizados são: diclofenaco, ibuprofeno, ácido mefenâmico, naproxeno, meloxican, piroxican. Os anticoncepcionais hormonais também podem ser ótimas opções de tratamento uma vez que reduzem o fluxo menstrual e inibem a ovulação. Inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ansiolíticos) também ajudam no combate às cólicas menstruais pelo aumento da tolerância à dor e aumento da serotonina circulante (substância que aumenta as sensações de prazer). Em quaisquer intensidades, as cólicas devem ser relatadas ao médico para que o mesmo possa fazer corretamente o diagnóstico e estabelecer o tratamento.


Coluna Saúde da Mulher - assinada pela Dra. Elaine K. Vasconcelos - Ginecologista, Obstetra e Mastologista - CRM: 101324.
Imagem by Mari Martins




Nenhum comentário: