quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Febre do Chikungunya



Doença é causada pelo mosquito Aedes, do mesmo gênero do
transmissor da Dengue

O Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo (CVE/SES-SP) divulgou, um informe técnico sobre o vírus Chikungunya (CHIKV) para evitar a transmissão autóctone. A doença é causada por um vírus RNA do gênero Alphavirus, transmitido para as pessoas por mosquitos do gênero Aedes – Aedes aegypti e Aedes albopictus –, o mesmo da dengue.

Todos os casos, suspeitos e confirmados, são de soldados do Exército Brasileiro, vindo do Haiti. Chikungunya significa “aquele que se dobra”, na língua Banto, e o vírus recebe esse nome devido às suas principais características: febre alta e artralgia.

A maioria das infecções durante a gravidez não resulta na transmissão do vírus para o feto. Existem, porém, raros relatos de abortos espontâneos após a infecção. Casos raros de transmissão por punção acidental já foram descritos, portanto teoricamente é possível transmissão transfusional.

Sintomas
Os sintomas da doença aparecem após um período de incubação intrínseco de três a sete dias. A doença aguda é mais comumente caracterizada por febre de início súbito, maior que 38,5°C, e dor muscular intensa. Os tornozelos, punho e articulações da mão tendem a ser mais afetados, podendo atingir também, articulações maiores como o joelho, o ombro e a coluna. Outros sinais e sintomas podem incluir cefaléia, dor difusa nas costas, mialgia, náusea, vômito, poliartrite, erupção cutânea e con­juntivite. O predomínio da dor articular sobre os outros sintomas contribui na diferenciação com a dengue, o paciente consegue definir claramente quais são as articulações afetadas.

A fase febril do CHIKV dura geralmente de três a 10 dias. Também é frequente a ocorrência de exantema maculopapular. Formas atípicas podem incluir manifestações ne­urológicas, fenômenos hemorrágicos, uveíte, retinite, miocardite, hepatite e nefrite.

Evolução
A maioria dos pacientes apresenta melhora depois de sete a 10 dias. Alguns indivíduos podem ter dores articulares por meses ou anos. Em uma proporção variável de casos, essas artrites evoluem com dor articular crônica incapacitante e outros sintomas como poliartrite, tenossinovite e síndrome de Raynaud.

Quadros mais graves podem acometer pessoas com risco acrescido, como idosos, hipertensos, diabéticos ou portadores de doenças cardíacas e os recém-nascidos expostos ao vírus durante o parto.

Óbitos causados por Chi­kun­gunya são raros. A taxa de letalidade da doença é um óbito para cada 1 mil casos.

Tratamento
Não existe tratamento específico para a infecção aguda pelo CHIKV. Analgésicos e antitérmicos devem ser utilizados para controle da dor e da febre. O uso de AAS e outros anti-inflamatórios não esteroidais deve ser evitado até que a hipótese de dengue seja descartada. Em casos de dor muito intensa, pode ser necessário o uso de opioides. Existem trabalhos que demonstram algum benefício no tratamento dos casos crônicos com ribavirina.

Os indivíduos expostos ao CHIKV adquirem imunidade duradoura.




Prevenção

  • Não existe vacina disponível, embora existam várias sendo estudadas;
     
  • As medidas de saúde coletiva  devem ser estabelecidas para minimizar a exposição do paciente ao mosquito, evitando que ocorra transmissão autóctone;
     
  • Recomenda-se que os pacientes com Chikungunya usem calças e mangas longas, repelentes à base de DEET, reaplicando periodicamente, e fiquem em ambientes protegidos com telas milimetradas até o 10° dia de sintoma.

Fonte: Jornal do Cremesp nº 316




Nenhum comentário: