quinta-feira, 28 de abril de 2016

Obesidade

Prevenir e tratar, antes de operar

Programa de Preparo Pré-Operatório para Obesidade  do Hospital das Clínicas da Unicamp tem estrutura integral e multidisciplinar,
com melhoras expressivas nos resultados

Everton Cazzo*, Martinho Antonio Gestic*, Murillo Pimentel Utrini*,
Felipe David Mendonça Chaim*, Elaine Cristina Cândido**,
Luciana Bueno da Silveira Jarolavsky** e
Elinton Adami Chaim***

O mundo vem assistindo a uma verdadeira explosão nas prevalências de sobrepeso e obesidade, que praticamente dobraram desde 1980. Esse fenômeno ocorre devido a uma série de fatores, ligados, principalmente, a questões alimentares, culturais, econômicas e laborais. Em 2014, o número estimado de adultos com sobrepeso no mundo era de quase dois bilhões, dos quais 600 milhões eram obesos. Além disso, cerca de 42 milhões de crianças com menos de cinco anos apresentavam sobrepeso ou obesidade em 2013. O que antes constituía um problema restrito a países economicamente desenvolvidos, agora também passou a ser um problema de saúde pública para as nações em desenvolvimento. Atualmente, a Organização Mundial de Saúde (OMS) afirma que a maior parte da população mundial habita paí­ses onde obesidade e sobrepeso causam mais mortes do que a desnutrição.
Dentro desse contexto alarmante, há uma necessidade premente de que políticas específicas de saúde sejam adotadas, com o objetivo principal de prevenir a ocorrência de obesidade, além de fornecer alternativas de tratamento para a população já acometida. A necessidade de programas preventivos torna-se ainda mais crítica quando se tem conhecimento de informes da OMS a respeito da dificuldade de adesão do público-alvo a medidas de tratamento de doenças crônico-degenerativas em geral. Os relatos dão conta de taxas de adesão inferiores a 20%, após 12 meses de seguimento.
O tratamento da obesidade apresentou importante evolução nas últimas décadas. O advento e popularização das cirurgias bariátricas e metabólicas trouxeram resultados de longo prazo nunca antes observados no tratamento da obesidade e de suas comorbidades. Porém, perante a crescente prevalência da obesidade, o número de cirurgias realizadas ainda está distante do mínimo ideal. Anualmente, cerca de 350 mil cirurgias bariá­tricas são realizadas em todo o mundo, o que indica que menos de 0,6% da população obesa tem acesso a essa modalidade de tratamento.
No Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), o serviço de cirurgia bariátrica foi iniciado em 1998. Em 2003, foi criado o Programa de Preparo Pré-Operatório para Obesidade, a partir do qual a assistência ao paciente obeso ganhou uma estruturação mais integral e multidisciplinar, além de prover aos pacientes atendidos a possibilidade de um seguimento pré-operatório mais criterioso e aprofundado. O objetivo primário do grupo era promover a perda de pe­so antes da realização do procedimento cirúrgico, bem como estimular medidas disciplinares a fim de que os pacientes desenvolvessem condições para aumentar a tolerância às alterações físicas e psíquicas trazidas pela cirurgia. A multidisciplinaridade sempre foi uma das principais características do programa, com uma equipe composta por médicos, enfermeiras, nutricionistas, psicólogas, assistentes sociais e preparadores físicos, de modo a prover atenção integral à saúde do paciente obeso.

Os pacientes são acompanhados pela equipe multidisciplinar, em reuniões coletivas, com os seguintes princípios:
•   Comparecimento semanal obrigatório;
•   Cumprimento das orientações médicas, nutricionais e de atividade física passadas pela equipe multidisciplinar;
•   Interrupção imediata e proibição do uso de drogas anorexígenas;
•   A cada retorno, apresentar-se com peso inferior ao aferido anteriormente.

O objetivo é promover a perda de peso antes da
cirurgia bariátrica

Semanalmente, os seguintes temas são abordados:
1. Obesidade: diagnóstico, fatores de risco, complicações;
2. Opções de tratamento da obesidade: clínico, endoscópico, cirúrgico; suas indicações, contraindicações e complicações;
3. Cirurgia bariátrica: indicações, contraindicações, modalidades, complicações imediatas e tardias, resultados reais;
4. Noções de higiene e saúde;
5. Orientações generalistas psicológicas, de dieta e atividade física;
6. Necessidades de utilização de sistemas antitrombóticos mecânicos;
7. Resultados dos pacientes que participaram do grupo X daqueles que não participaram;
8. Reforço da necessidade de mudança nos hábitos de vida.


Expansão
Inicialmente, era realizada uma reunião semanal com 20 pacientes nas dependências do HC-Unicamp. Ao longo dos anos, devido à grande demanda, ocorreu uma acentuada expansão do programa, que atualmente realiza cinco reuniões semanais, cada uma com 30 pacientes, contando com revezamento de profissionais ao longo da semana e ocupando, alternadamente, o mesmo espaço físico. Além disso, houve uma extensão extramuros do programa, por meio de convênios com prefeituras de municípios interessados em adotá-lo. Atualmente, existem programas formalmente associados à matriz nas cidades de Indaiatuba, São Joaquim da Barra, Pedreira, Águas de Lindoia (SP) e Monte Sião (MG).
Desde a implantação do programa, mais de 1.400 pacientes foram submetidos à cirurgia, com melhoras expressivas nos resultados. A mortalidade perioperatória passou de 4,4% para zero. Houve também redução das taxas de complicações: hérnias e eventrações, de 34,5% para 8,5%; complicações pulmonares (atelectasia e pneumonia), de 5,3% para 1,1%; e tromboembolismo pulmonar, de 3,9% para zero. Existem evidências significativas na literatura médica a respeito da melhora de resultados observada a partir da realização de programas de perda de peso antes da cirurgia.
Além disso, desde 2008, o programa promove a Caminhada de Prevenção da Obesidade, um evento público realizado anualmente em Campinas, na Lagoa do Taquaral, cujo objetivo é conscientizar a população a respeito dos riscos da obesidade, além de fornecer gratuitamente mensurações de glicemia capilar, aferições de pressão arterial e avaliações antropométricas. Nesses eventos, são abertas as inscrições para interessados em participar do programa, que acolhe também os pacientes encaminhados pela Diretoria Regional de Saúde (DRS) e por outras especialidades do HC-Unicamp por meio de interconsultas.
Frente a um problema de tamanha gravidade, o caminho aberto no HC-Unicamp representa uma alternativa significativa para o acolhimento e tratamento dos indivíduos portadores de obesidade. É evidente que a ampliação de nossa capacidade de atendimento, tanto local quanto extramuros, é crucial para que mais indivíduos possam ser beneficiados. Trabalhos nesse sentido serão realizados nos próximos anos, visando à constante expansão de nossa luta contra os danos causados pela obesidade.
 

* Médico-Assistente – Grupo de Cirurgia Bariátrica e Metabólica – HC/Unicamp
** Enfermeira – Grupo de Cirurgia Bariátrica e Metabólica – HC/Unicamp
*** Livre-Docente – Chefe do Grupo de Cirurgia Bariátrica e Metabólica – HC/Unicamp
Fonte: Revista Ser Médico nº837

Nenhum comentário: